fbpx

A Jornada de André Assis: Como o eProdutor transformou a Gestão Financeira de um Negócio Familiar

Uma vez um jovem chamado André Assis, cuja família possuía um negócio próspero no campo, envolvendo agricultura, piscicultura, avicultura, bovinocultura e silvicultura. A vida seguia normalmente, e André, formado em Agronomia, dedicava-se de corpo e alma às atividades rurais.

Um dia, em uma reunião familiar, seu pai lhe confiou a responsabilidade de cuidar das finanças da família e de seus negócios. Era o chamado para uma nova jornada, um desafio que André jamais esperava enfrentar.

Como em toda jornada do herói, André se viu diante de obstáculos e provações. Ele percebeu que precisava de transparência nas finanças e de um sistema capaz de controlar todas as esferas do negócio, atendendo tanto as necessidades de pessoa física (produtor rural) como as de pessoa jurídica.

André começou a busca por soluções, mas esbarrou na dificuldade de encontrar um sistema que pudesse atender todas as atividades do negócio de maneira individual. Ele teve a ideia de buscar empresas que desenvolvessem um sistema personalizado, já que tinha o projeto em mente.

Foi então que André encontrou o mentor em sua jornada: Lucas, que lhe apresentou o Eprodutor. André percebeu que era exatamente o que procurava: um programa capaz de atender todas as suas atividades de maneira integral e única, tanto para pessoa física como para pessoa jurídica.

Com o Eprodutor, os funcionários da família Assis passaram a registrar ocorrências de todas as atividades por meio de aplicativos no celular, facilitando o controle financeiro. O sistema atendia todas as áreas do negócio, desde a agricultura (soja e milho) até a silvicultura, incluindo a Reflorestamento Assis, empresa especializada na compra e venda de eucalipto em lenha e cavaco no Oeste do Paraná e Sul do Mato Grosso do Sul.

Nessa parceria com o Eprodutor, André e sua família estavam desenvolvendo o melhor controle de silvicultura do país e, em breve, esperavam alcançar o mundo. A jornada de André se tornou um sucesso, e ele pôde garantir um futuro mais promissor para sua família e seus negócios.

André Assis aprendeu que, ao enfrentar os desafios e buscar soluções inovadoras como o Eprodutor, a sucessão familiar se torna mais fácil e prática. Ele aconselha outros produtores e filhos de produtores a olhar para esse cenário e a se prepararem para o futuro, lembrando sempre que “as escolhas que você plantar hoje, é que gerarão os frutos para o futuro de seus filhos e netos”.

E assim, a história de André Assis e o Eprodutor se tornou um exemplo inspirador para todos aqueles que buscam inovação e sucesso no mundo do agronegócio.

 

Veja mais aqui:

Sucessão familiar: tecnologia ajuda a manter as atividades no agronegócio

As famílias são os grandes pilares da produção rural no Brasil e a sucessão familiar é uma prática muito comum no setor. Para evitar perdas patrimoniais e desgastes emocionais no momento de transferir a gestão para as próximas gerações, é necessário estruturar um plano de sucessão, seja na agricultura ou na pecuária.

Nas atividades rurais, os negócios sempre foram centrados na família e passados de geração em geração, isso significa que, quando os pais se ausentam das atividades, transferem as responsabilidades para os filhos. Nos últimos anos, questões como a maior longevidade dos pais, o maior nível de escolaridade dos filhos, as novas oportunidades de trabalho para os jovens, as novas tecnologias digitais e a necessidade de preservação da escala do negócio fizeram com que o processo de sucessão precisasse se adaptar a uma nova realidade, adotando, assim, novas práticas.

Mas, se por um lado há os pais que têm a intenção de manter os negócios, por outro há os filhos com a falta de interesse de seguir as tradições. Nesse ponto, na hora de pensar no futuro, surge a questão: quem vai dar continuidade nos negócios da fazenda?

Tecnologia na gestão do agronegócio

A tecnologia surge como uma solução para preparar os sucessores a assumir a gestão da produção do campo, tornando os processos e operações muitos mais fáceis, transparentes e seguros.

Diante de algumas dificuldades encontradas no dia a dia da produção, sabemos que escolher entre duas ou mais alternativas em determinadas situações nunca é fácil, por isso, ter a ferramenta certa para ajudar na tomada de decisões é fundamental para uma gestão eficiente.

Para gerar bons frutos, a tecnologia vem atuando como uma verdadeira aliada na rotina do produtor rural, que pode usufruir cada vez mais das facilidades que ela proporciona em um setor que representa extrema importância no país. Saiba mais sobre como agregar valor nos Empreendimentos Rurais neste artigo.

A história nos ensina a entender o presente e a planejar melhor o futuro. Assim, boas práticas de registros e históricos da propriedade vão auxiliar na sucessão, além de gerar bons resultados no sistema de produção. É possível visualizar e entender todas as características, desde dados referentes à rentabilidade, custos, áreas cultivadas, patrimônios, maquinários, históricos das safras e de lotes, documentos legais, mapeamento de processos, fornecedores, técnicas e métodos aplicados.

Um exemplo de solução tecnológica para os futuros gestores do campo é o sistema eProdutor, proporcionando a eles a fazer todos os registros de forma rápida e automatizada, obtendo todas as informações em apenas alguns cliques. Assim fica mais fácil entender o negócio e realizar a gestão sem maiores problemas.

O eProdutor é uma plataforma de gestão rural completa, auxiliando do início ao fim da cadeia produtiva. A ferramenta dá total respaldo na gestão financeira, gestão de estoque, possui integração com outras tecnologias como sensores de monitoramento em tempo real e estações meteorológicas, proporcionando tomadas de decisões mais assertivas e no momento ideal. Veja mais sobre a importância de realizar a Gestão de propriedades rurais aqui.

Como resultado, haverá proteção do patrimônio e da escala do negócio, maior transparência e segurança das informações, fortalecimento das relações familiares e prosperidade do negócio. Consulte o eProdutor e saiba como uma ferramenta de gestão completa pode ajudar a manter a tradição da sucessão familiar e otimizar os resultados produtivos.

Como o bem-estar animal gera melhores resultados na produção de frangos de corte

Você, produtor rural, tem acompanhado todos os indicadores de desempenho da sua produção de ponta a ponta? Sabe o motivo de altas taxas de mortalidade das suas aves? Se sua resposta foi não para essas duas perguntas, além dos prejuízos financeiros, você não está se atentando ao bem-estar animal.

O bem-estar está ligado diretamente à maneira com a qual os animais lidam com as condições em que vivem. É necessário fazer medições constantes das aves e do ambiente que elas vivem para saber se não há algum desequilíbrio durante o processo de seu crescimento antes do abate.

Talvez você não esteja enfrentando somente altos índices de mortalidade e sim uma taxa de peso não adequada, e isso reflete lá na frente quando for realizada a venda, porque o frango não corresponde aos critérios ideais exigidos pela agroindústria e pelo consumidor.

As boas práticas de manejo aliadas ao monitoramento de ambiência e de processos propiciam uma conduta mais humanitária no tratamento animal, além de melhores resultados na produção, transporte e abate.

Quando um produtor se preocupa em prover um ambiente que otimize o desempenho das aves para que alcancem taxas de crescimento uniforme, ele está proporcionando mais resultados e qualidade final do produto. Além disso, prestar atenção na eficiência da conversão de ração na produção de carne e no manejo pré-abate de forma menos estressante, assegurando, assim, a saúde e bem-estar da ave.

Existem muitos pontos a serem observados na criação de frangos de corte. Abaixo, listamos algumas das principais variáveis que o produtor deve levar em consideração na produção. São elas:

  • Amônia;
  • CO2;
  • Temperatura;
  • Umidade;
  • Velocidade do vento;
  • Luminosidade;
  • Consumo de ração;
  • Consumo de água;
  • Consumo de energia elétrica;
  • Consumo de gás;
  • Operação de equipamentos;
  • Peso das aves;
  • Mortalidade.

Além das características mencionadas que envolvem o cenário de desenvolvimento eficiente da ave, o bem-estar animal segue os princípios de alimentação, alojamento, estado sanitário e comportamento.

No que diz respeito à alimentação, o produtor deve prestar atenção principalmente em dois critérios: ausência de fome prolongada e ausência de sede prolongada. Na questão do alojamento, a granja deve apresentar conforto em relação ao descanso, conforto térmico e facilidade de movimentação.

Já quando falamos de estado sanitário, deve-se observar a ausência de lesões, de doenças e de dor causada pelo manejo. Por último, e não menos importante, critérios de expressão de comportamento social adequado, de outras condutas, estado emocional positivo e relação humano-animal positivo devem ser levados em consideração.

 Dados da produção de frangos de corte no Brasil

 O Brasil produz em torno de 13 milhões de toneladas de frango anualmente, segundo o relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) e, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a produção da carne de frango no país é a que mais deverá crescer nos próximos dez anos.

Em 2027, a produção nacional deve alcançar uma taxa de crescimento de 33,4% – ou 2,8% ao ano – ou seja, passando das 13.440 toneladas registradas em 2017 para 17.930 toneladas, segundo projeção do Mapa.

O Brasil é o segundo maior produtor de frango do mundo, atrás apenas dos EUA, todavia, as exportações brasileiras de frango estão em primeiro lugar no ranking. O aumento das compras chinesas levou outros mercados importantes como Arábia Saudita, Rússia e Egito a intensificar seus negócios com o Brasil.

A safra de grãos brasileira deverá chegar à marca de 288,2 milhões de toneladas nos próximos dez anos, representando um incremento de 21,5% (51 milhões de toneladas) em relação à safra de 2017 que é de 237,2 milhões. Milho e soja continuarão puxando a expansão de grãos até lá.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) diz que o país movimenta atualmente US$ 6,571 bilhões nesse mercado e, de acordo com a Embrapa, são 4,1 milhões de toneladas de frangos exportados, contando ainda com 48.426.232 matrizes de corte alojadas.

A partir de todos esses números gigantescos e otimistas fica claro que a produção avícola no Brasil só tende a se fortalecer, e todo esse crescimento deve se sobressair com a ajuda da tecnologia na cadeia produtiva.

Tecnologia ajuda no bem-estar animal

 As tecnologias existentes contribuem e muito para proporcionar um maior bem-estar animal antes do abate. Dispositivos e sistema que fazem todo o monitoramento de cada passo da ave; desde o ambiente que se desenvolve até o comportamento do animal.

O produtor rural pode fazer todo o acompanhamento da sua produção avícola por meio da plataforma eProdutor, uma ferramenta completa de gestão e com integração de monitoramento remoto. Todos os dados, ocorrências e informações das atividades produtivas podem ser adicionadas através de um celular, tablet ou computador, facilitando o acesso em qualquer lugar e o melhor: em tempo real.

A ferramenta possibilita ainda uma integração com câmeras de vídeo que fazem o monitoramento da granja e a integração com sensoriamento remoto, onde sensores com tecnologia de Internet das Coisas (IoT) instalados dentro dos aviários coletam dados automaticamente e de maneira precisa.

A grande vantagem de toda essa integração é a possibilidade de detectar falhas rapidamente para tomar as melhores decisões e agir no momento certo, além de que o acompanhamento pode ser feito por todos os envolvidos, inclusive a agroindústria para que tenham a mesma visão de todo o processo. Para entender melhor as funcionalidades do sensoriamento remoto, clique aqui.

Facilitando ainda mais cada procedimento, o sistema é completo para uma gestão eficiente, alertando sobre falhas e desvios, ajudando no planejamento e evitando prejuízos, o que gera melhores resultados, consequentemente, aumentando o poder produtivo e, claro, não esquecendo do bem-estar animal.